sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Hoy és lo dia...

...de hablarse portuñol!

No sé se lo saben, pero en todas las ultimas siextas – fieras del mês es lo dia internacional de hablarse portuñol! Habla buenos dias para su viziños, diga que rica para su amiga hermosa, peça um pollo para comer con los niños, hoy es un dia mucho especial!

Hoy es dia de escuchar Los Pirata, cantar El Justiciero y assistir Luz Clarita.

Viva lo portuñol! Viva la comunicacion en ciudad del este! Viva las gatitas argentinas de Camboriu!
P.s: Mira ese website!
http://portunhol.art.br/wiki/P%C3%A1gina_principal

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Felicidade

“Felicidade é deitar ao sol, é abraçar os filhos, ver o amanhecer...”, enquanto um guri abria uma caixa de mega drive, ao lado da árvore de Natal. Para as Lojas Colombo, isso é a felicidade (inclusive, segundo eles, a felicidade mora por lá!). Mas será que é só isso? Será que a felicidade tem endereço, nome, sobrenome, CPF e um apelido maldoso que ganhou dos amigos da rua?

Basicamente nascemos e somos criados por nossos pais da melhor maneira possível, para podermos buscar a felicidade. Mas será que para buscá-la eu preciso pegar o Inter 2, escrever uma carta ou sentar na grama do Barigui num dia de sol? Será que eu consigo comprá-la? Será que vou encontrá-la numa caixa velha de sapatos onde eu guardo as minhas pecinhas antigas de lego?

Descobri que a felicidade não deve ser encontrada, e sim criada. Somos nós que manipulamos nossos sentimentos para nos sentirmos bem ou mal com as coisas da vida. Somos nós que olhamos no espelho e dizemos “Como eu sou feliz!”. Vivemos passagens em nossas vidas e as culpamos pela nossa sorte, mas pense bem, essas passagens ocupam quantas horas do seu dia? E todas as outras horas? Por que não ser feliz nessas outras horas?

Eu não soube ser feliz nas outras horas, e deixava que os momentos ruins tomassem conta do meu dia inteiro, mas depois de superar o problema, eu olhei no espelho, respirei fundo e sorri: Como eu sou feliz!

O que me faz feliz?

Pra mim a felicidade não tem nome e sobrenome, não está em lugar nenhum e não custa nada. A minha felicidade atende por liberdade. Eu poderia ter uma Ferrari conversível e um barco bonito pra brincar de Colombo, mas não me adiantaria de nada isso tudo se eu tivesse que chegar em casa e explicar por A + B onde eu fui com a minha Ferrari, que horas eu cheguei, quem foi comigo, se tinha mulher lá e depois de tudo bem bonitinho, ainda ouvisse um “você está mentindo”.

Prefiro continuar andando de Santa Cândida / Capão Raso, chegando de madrugada e devendo explicações somente ao meu fígado.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Os punks também amam?

Normalmente eles estão de preto. Normalmente eles são esquisitos. Normalmente eles são anárquicos, arruaceiros e não demonstram grande compaixão ou amor ao próximo. Quem já viu vídeos de Sex Pistols ou Misfits já perceberam que estou falando dos punks, aqueles caras de cabelo moicano que invariavelmente andam pelas ruas com roupas rasgadas e uma garrafa de bebida nas mãos.

Mas por incrível que pareça, esses seres esquisitos também são providos de sentimento, ou então mentem muito bem, afinal, quem diz que preferia morrer no lugar de alguém, só pode ser porque gosta muito de alguém.

Veja a tradução dessa letra:

Offspring
Gone away

Talvez em outra vida eu possa reencontrá-la
Você se foi antes da sua hora, não posso aceitar, é tão injusto

E parece que o céu é tão longe daqui
E parece que o mundo ficou tão frio agora que você se foi

Deixo flores no seu túmulo pra mostrar que ainda me importo
Rosas negras e Ave Marias não podem trazer de volta o que foi tirado de mim

Eu alcanço até o céu, e chamo pelo seu nome
Por favor, me deixe trocar de lugar, eu o faria

E parece que o céu é tão longe daqui
E parece que o mundo ficou tão frio agora que você se foi

--------------------------------------------------------------------
Ta bom, agora vem aquele papinho de que Offspring é Pop Punk, não é punk “true”.

Misfits
Saturday Night

Existem 52 maneiras de assassinar qualquer um
A 1ª e a 2ª são as mesmas, e funcionam bem da mesma maneira
To vindo na boa por causa da Amy, Julie não grita tanto
E os policiais não irão ouvir por toda a noite
E talvez, talvez eu esteja acabado,
assim que tiver as preenchido por inteiro

E eu me lembro de quando a vi pela última vez
Estávamos correndo por aí e explodindo
Mas o banco de trás é tão só sem você
Eu sei quando você está em casa

Eu estava pensando em você
Havia uma coisa que eu esqueci de dizer
Eu estava chorando em um sábado de noite
Eu tava sem rumo sem você
Eles estavam tocando a nossa canção
Chorando em um sábado de noite

Quando a lua se torna noite
Você, cheia de maldade, vai embora quietinha
Eu estou sentado no quarto, onde costumávamos sentar e fumar cigarros
Agora eu estou assistindo, assistindo você morrer

E eu me lembro de quando a vi pela última vez
Estávamos correndo por aí e explodindo
Mas o banco de trás é tão só sem você
Eu sei quando você está em casa

Eu estava pensando em você
Havia uma coisa que eu esqueci de dizer
Eu estava chorando em um sábado de noite
Eu tava sem rumo sem você
Eles estavam tocando a nossa canção
Chorando em um sábado de noite

Ok, o amor dele é meio estranho, bom, talvez eu esteja errado, é acho que to errado mesmo...os punks não amam tanto assim.
P.s: Quem vai no show do Offspring dia 12 põe o dedo AQUI!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Gênios do Humor

Todos parecem iguais. São tímidos. Amarelos. Diferentes. São os reis das piadas, não há como não rir. Mas ao contrário do humor que estamos acostumados, aquele que o cidadão está lá pra te fazer rir, fazendo micagem, falando bobagem, esses seres são ídolos do humor involuntário, do humor “sem querer”, esses nos fazem rir quando querem falar sério, nos fazem rir quando atravessam a rua, nos fazem rir em suas aulas de inglês. Estes são os japoneses.

Tem gente que ri só de olhar pra um desses. Eu já não rio mais. Curitiba tem muitos, já acostumei, a piada perdeu a graça. Mas dos japoneses “true” mesmo, aqueles que nasceram e vivem na terra do sol nascente, eu rio sempre, não tem como não rir. Quem mais é capaz de parecer um Cebolinha às avessas e fala “R” quando tenta falar “L”? Quem mais fala “turramba” ao tentar pedir dois hambúrgueres na lanchonete? Quem mais tem os programas televisivos mais bizarros que o ser humano é capaz de criar? Somente eles, os criadores do Ultraman.

Se tiverem a oportunidade, assistam ao “Silent Library”, que já foi devidamente copiado pela MTV, mas em que sua versão original era feito por japoneses. Assistam também ao programa em que japoneses precisam passar por vãos de uma parede que vai na direção deles, o “Human Tetris”. Mas o Masterpiece, o motivador desse post, é o grandioso, fenomenal, fantástico vídeo estilo “Telecurso 2000”, aula de inglês, chamado “Bad Case of Diarrhea”.

Assistam abaixo:




Assistiu? Não entendeu por causa do idioma?

Eu explico.

Isso é uma vídeo-aula de inglês. A mocinha pede ajuda, quer uma ambulância. Um ocidental, muito prestativo, diz pra ela ficar tranqüila e pergunta onde que dói, e ela responde que sente dores no estômago.

Eis que surge então a frase: “Estou com um caso grave de diarréia”. E na seqüência aparece essa coreografia ridícula, com japonesas em roupas ridículas, cantando, como se fosse um grande hit: “Estou com um caso grave de diarréia, estou com um caso grave de diarréia, estou com um caso grave de diarréia...”

Quem, senão os japoneses, teria a genial idéia de ensinar inglês com uma coreografia dessas? Quem, senão os japoneses, usariam uma caganeira como exemplo pra aprender outro idioma? Quem, senão os japoneses, pensaria que falar que está com um jurril daqueles é a coisa mais normal do mundo?
Isso é humor. Isso é Nippon.

( Aprende Agildo Ribeiro...Aprende Tom Cavalcante)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Eu, contraponto

Há algo de socialista no reino das minhas opiniões. Ok, vamos esquecer a brincadeirinha com o Hamlet aí e vamos direto ao ponto. Quem me conhece sabe, sou o inverso de tudo. Torço pro time com menos torcida aqui, defendo os jogadores odiados pela galera, analiso de maneira diferente as situações do dia a dia, tento entender o lado do bandido, o lado do brigão, o lado do ladrão. Se eu fosse um partido político, seria o PT (antigo) ou PSOL. Mas eu sou tão contraponto que esses são dois partidos que eu não voto.

Seria eu a forma humana do “Do Contra”, aquele personagem da Turma da Mônica? Não, nem tanto. Ainda me visto normalmente. Sou apenas um ponto de interrogação, aquele cara que procura provocar a reflexão nas pessoas com quem conversa. Obviamente é sempre epic fail, só minha mãe “reflete” sobre as minhas indagações. Todos os outros me mandam comer capim. Indo a puta que me pariu ou não, fato é que eu represento um elemento importante na sociedade, afinal eu sou a esquerda da opinião comum e evito que injustiças maiores aconteçam. Certo, eu não sou tão importante assim. Aliás, eu nunca impedi nenhuma injustiça na história, apenas as vi acontecendo e me irritei. Mas como eu sou esquisito, eu esqueço as irritações em minutos também. Difícil eu ficar bravo com alguém por muito tempo.

Ta aí, descobri, eu sou o meu próprio contraponto, teria eu dupla personalidade? Acho que não é pra tanto
-Ah, é sim
-Não, não é
-Como não? É óbvio que é
-Eita, não viaja, não é não.

Já falei demais sobre mim, agora me ajudem vocês. Sabem de alguma personalidade que seja assim? Ou então algum anônimo que seja assim? Acho que no mundo dos jornalistas existem vários desse tipo, Diogo Mainardi é um exemplo famoso. Aliás, eu não o odeio e sei que sou soldado solo nessa campanha, quase um Rambo, só que bem menos competente. No jornalismo esportivo, sou capaz de passar 12 horas digitando o nome de pessoas com esse perfil, mas não vou digitar nenhum, pra não ser injusto. Entretanto, é impressionante como surge sempre alguém na imprensa questionando o trabalho dos outros.

Ah, é a função deles, né? Eles recebem pra isso, né? Eu já sou muito melhor, sou altruísta, discordo de todos a troco de nada.

domingo, 19 de outubro de 2008

Ô loco, meu

Escrevo dessa vez em homenagem às pessoas que sofrem de um grande mal, um problema sério que atinge aos brasileiros e que acaba dia após dia com as nossas vidas. Alguma doença? Não. Violência nas ruas? Não também. O que seria então? Mando aqui meu forte abraço às pessoas que não têm o que fazer no domingo e se obrigam a assistir Faustão.

Estou aqui parado, porque uma amiga está fazendo aniversário, meus amigos estarão lá, mas não poderei ir por algumas razões, ficarei em casa possivelmente, e me deparo com um “Quem sabe faz ao vivo!” vindo da televisão ao lado. Muitos anos se passaram desde a última vez que fui obrigado à assistir ao programa do Fausto “tanto no pessoal quanto no profissional” Silva. E só agora percebi o sofrimento de milhares, ou melhor, milhões de brasileiros que não têm grandes opções no domingo e não assinam TV a cabo.

Imploro para todo o povo brasileiro: arrumem novos hábitos. Aprendam a gostar de ler, se dediquem ao artesanato, escutem música, toquem algum instrumento musical, contem quantos palitos vêm dentro de uma caixinha de fósforos ou até mesmo criem um blog e escrevam, mas por favor, por tudo que é mais sagrado, eu suplico, saiam da frente da TV no domingo, vocês brasileiros não merecem esse sofrimento.

Não gosta de fazer nada disso? Se vira nos 30.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Pingos de Sabedoria

Ultimamente tenho atentado a coisas que eu não dava muita trela antes. Frases prontas. Só que as frases que me “cativam” não são aquelas comuns, pensamentos filosóficos bonitos, elaborados por mentes brilhantes e exemplares. Eu gosto mesmo daquelas bem chulas e engraçadas, algumas machistas, outras de cunho sexual e algumas ainda que nos ajudam a nos conformar com as adversidades da vida. Devo esse post principalmente ao Gaúcho, um cara que é praticamente um MBA em tratar mulher, e ao Gaspar, que eu tenho certeza que reserva 2 horas de seus dias bolando novas frases prontas.

Vamos analisar algumas:

“Na guerra é pior”
– Evânio “Gaúcho”

Ta frio, muito frio, chovendo pra caramba. Você está na rua, a 12 km de casa, sozinho, e são 3 horas da matina. Obviamente, você não tem dinheiro também. Desespero? Jamais, afinal, na guerra é pior.

“Quer me foder, comece me chupando” – Eduardo “Gaspar”

O ápice da bronquice e mal gosto. Você acaba de rolar na lama, brincando de lutinha com o porco de estimação da sua tia do interior, no chiqueirinho dele é claro. Precisa ir embora e quer uma carona. Eis que você ouve esse “belo” pedido.

“Se você não comer, a terra come” – Evânio “Gaúcho”

17 dentes, cabelo birolento e cheio de nós, um hálito de espantar tigre e uma beleza próxima a de uma princesa...Fiona. Inencarável, intragável, um monstro, mas...se você não comer, a terra come.

“Beleza é um conceito relativo. Feiúra não” – Iuri “Faot”

Morena, cabelos longos e lisos, olhos verdes, corpo perfeito, pele macia, cheirosa, rosto talhado por Deus em dia de bom humor. Muitos acham que ela é o elixir da beleza, mas alguns entendem que ela não tem sal, sem graça, preferem aquela loirinha de olhos castanhos.
1,90m, 144kg, pele marcada pelo trabalho pesado, mau hálito, rosto judiado. Essa é feia e ponto final.

“Você tem que tratar a mulher como se ela fosse um pedaço de carne” – Evânio “Gaúcho”

Você está com fome, não tem muito tempo a perder. Você não conversa com seu filé, você o ataca, sem respeito, com despeito, em busca do seu objetivo. Matar a fome.
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Não compartilho de muitos desses raciocínios, bom lembrar, mas eu rio toda vez que me lembro desses pingos de sabedoria.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Minhas pérolas musicais: Parte 1

Bom, o Blog está bem das pernas, melhor do que eu imaginava, com alguma visitação, alguns elogios e alguns comentários, tudo isso acontecendo mais vezes do que eu esperava. Calma, isso aqui não é uma análise do Caderninho do Grelha, e sim uma explanação do porquê decidi fazer isso, passar essa vergonha, correr o risco de não ter nenhum comentário e indicação pra visita pelo resto da história desse Blog: Decidi postar pela primeira vez uma letra minha.

Essa letra de hoje nunca foi tocada por nenhuma banda que eu tive, e foi a última letra que eu escrevi (É de 2003), quando já estava na faculdade. Porém, ela já foi executada em público em uma aula que todos tinham que mostrar alguma habilidade artística, que eu esqueci que haveria (óbvio), não preparei nada, então arrumei um violão emprestado e mandei ver (Se vocês soubessem como eu canto mal, vocês teriam noção da coragem que eu tive nesse ato).

P.s: Quem não for de Curitiba talvez não entenda.

Com vocês...

Surfista Rodoviário

18 horas, maré alta, é difícil, é pra treinar
Em maré alta é crowdeado, foda de se equilibrar
Sol na cabeça e suor, qualquer esporte é assim
Só que o tubo que eu pego fica na Silva Jardim

Surfista Rodoviário, Surfista Rodoviário
Surfista Rodoviário, Surfista Rodoviário

O vermelhão é demorado, o cinza eu não consigo entrar
São 3 ou 4, não sei mais, vou de Inter 2, vou de Pinhais
A minha prancha é articulada, marcopolo ou busscar
E você pode dar uma volta, 1,90, é só pagar

Surfista Rodoviário, Surfista Rodoviário
Surfista Rodoviário, Surfista Rodoviário
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Aguardo ansioso pelos tomates...

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Overblog

É estranho mesmo, dois posts seguidos assim! Um deles nem se firmou! Mas eu tenho razões pra esse “Overblog”

Me deu vontade de escrever, então não reclamem (Lembra que eu disse que era estrelinha? Lááá no primeiro post, então...). Bom, a verdade é uma só. Eu amo dormir mas odeio ir dormir. Sim, consigo ouvir daqui você rindo de mim (Você mesmo, com a mão no queixo enquanto lê), mas não importa, eu posso explicar e vocês podem entender, eu juro que é fácil.

Veja só, eu to aqui, quase 2 da manhã, e preciso acordar cedo amanhã, mas to com preguiça de deitar, sério, ta tão cômodo aqui, na frente do PC, lendo as minhas bobeiras e comentando nos meus fóruns, que eu não quero deitar, quero aproveitar ao máximo essa bateria que instalaram em mim. Mas quando eu acordar amanhã, estarei puto porque dormi pouco, e dormir é tão bom!

Entenderam?

Isso, valeu confiar em vocês, sabia que vocês são todos inteligentes e entenderiam (Você mesma, te acho inteligente sim, você sabe disso? O que? Acha que não é contigo que to falando? Claro que é!). Chega de prováveis monólogos, vamos ao ponto: O que me faz não querer deitar?

Sabe aquela sensação de que você poderia fazer mais coisas legais? Qualquer bobagem, jogar Guitar Hero, tocar violão ou até mesmo escrever. Se eu posso estar fazendo isso tudo, se eu tenho “gás” pra isso tudo, por que dormir? Porque perder o meu tempo dessa vida tão curta dormindo?

Bom, amanhã quando o alarme tocar, eu vou esquecer de tudo isso. Sou um hipócrita mesmo!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Sentimento é algo estranho

Quando fazemos qualquer coisa, sentimos qualquer outra coisa. Ahn? Ta, vamos lá. Atravesso a rua, sinto medo de ser atropelado, vontade de chegar ao outro lado, a temperatura do asfalto. É um ato cotidiano, mas são muitas coisas que eu sinto. Isso tudo é tão normal, não conseguiria escrever com alguma decência algum texto sobre esse tipo de sentimento. Mas existem aqueles sentimentos que são inexplicáveis, ilógicos, inesperados.

Um beijo.

Quantas bocas você já beijou? Não importa, o que importa é que uma delas te fez sentir algo a mais que as outras. Aí você procura as desculpas...”Ah, ela também gosta de Beatles...”, e quando ela não gosta? E quando você é indie e fã de filmes e ela é pagodeira fã de novelas? Acontece! Algumas vezes aquela é “A” escolhida, e tudo que você pode fazer é tentar convence-la de que filmes são mais legais que novela e que os Smiths são mais legais que o Revelação. E se você não consegue, pouco importa, aquela é a “sua boca gêmea”, afinal, todos encontram uma boca que gosta mais da sua boca, e aí já não cabe dizer que alguém beija melhor! Já conheci uma menina que tinha um beijo bem ruim, mas que já encontrou vários caras que adoraram. São uns doidos!

Uma música.

Fui no Crossroads sábado, pra mim aquilo é quase um paraíso em forma de partituras. Uma banda pra lá de competente (Cracker Jack) tocando um repertório maravilhoso. Mas há quem odeie! E por quê? Não sei! Eu acho que estão é perdendo tempo, mas quem sou eu pra discutir? O cara que não sabe nem explicar os próprios sentimentos? Não sei mesmo, e pergunto: Por que eu gosto de rock clássico? Meus pais não ouvem, minha irmã não ouve, sou o único entre meus amigos com esse gosto também. Aprendi onde? Por que esse é o som que me arrepia e me anima? Não sei, só sei que quando escuto as guitarras distorcidas com seu som borbulhante vindos daqueles amplificadores valvulados no talo, eu me arrepio, canto junto, faço air guitar e qualquer outra maluquice que me faça sentir parte da música.

Quem sabe eu queria ser uma nota musical. Um C#.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Preconceito, Risos e Futebol: Ah, As Músicas de Torcida!

Primeiro de tudo, vejam o vídeo do post acima.

(Se posto o vídeo aqui, não funciona)

Raiva, ódio, violência. Tema recorrente nos últimos anos, virou moda falar mal das torcidas organizadas dos clubes de futebol. Não faço parte de nenhuma, e nem estou aqui pra defendê-las, mas estou sim para mostrar o quanto uma torcida de futebol pode melhorar a nossa vida. Sim, isso mesmo! As torcidas podem melhorar nossas vidas através de seus manifestos agressivos e preconceituosos! Afinal, o que mais na vida é tão relaxante quanto chegar no estádio do seu time e cantar musiquinhas agredindo seu adversário e seus rivais que nem estão naquele jogo? O que mais na vida nos tira tanto o stress quanto mandar os coxas tomarem no ** ou ressaltarmos a diferente opção sexual dos atleticanos? Nada (quase nada) é melhor!

E para exaltar todos os sentimentos ruins inerentes aos cânticos futebolísticos que fazem do nosso dia um dia muito melhor, que eu resolvi postar! Inspirado nesse vídeo da torcida do Náutico (Por favor, assistam, sério, é sensacional), vim aqui defender o quanto é legal ser preconceituoso e dizer que todo mundo do outro lado é bicha! Sem hipocrisia pô, eu também rio quando o Danilo começa a cantar “Tricolor não tem torcida, tricolor não tem torcida” ao ritmo da Dança do Quadrado. Cabemos numa kombi, moramos na favela, mas rimos muito disso tudo! Faz parte!

Para homenagear esses criativos do demônio que escrevem essas belas canções, escreverei aqui alguns versos de belas canções entoadas nos estádios brasileiros:

Coritiba
“...Aquela caveirinha, quando viu se calou, dentro do chiqueirão o bonde da Império...”

Atlético Paranaense “...Atirei o pau nos coxas, e mandei tomar no cú, coxarada filha da puta, chupa rola e dá o cú...”

Paraná“...É Paratiba, ooo, Couto Pereira, a Fúria quem lidera, mas que beleza, eu vou matar um porco nesse dia com certeza...”

Grêmio “...Somos Campeões do Mundo, da Libertadores também. Chora macaco imundo, que nunca ganhou de ninguém...”

Fluminense“...Eu não sou vascaíno, eu não sou vascaíno, não vendo pão, não vendo pão, não vendo pão...”(Ao ritmo de La Bamba)

Portuguesa (em jogo contra o Ceará) – “...eeeEEE, na sua terra não tem água pra beber...”

E a grande e maravilhosa canção que me motivou a fazer esse post, a grande coqueluche na arte de agredir o adversário.

Náutico
(cantando pra torcida do Sport) – “...Sou alfabetizado, sou alfabetizado, não sou ladrão, não sou ladrão, não sou ladrão...Náutico Náutico, Náutico Náutico...” (Ritmo de La Bamba também)

Então vamos celebrar, cantar em uníssono as canções violentas de nossas torcidas, afinal de contas, quem não cantar, VÁ PRA PUTA QUE O PARIU!!!

P.s: Depois eu tento colocar o vídeo direto aqui, mas não ta rolando, então vejam pelo post de cima mesmo. Mas vejam! Vale muito a pena!

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Mulheres, me explanem por favor...O QUE É ESTILO?????

“Ah, sei lá, ele não é bonito, mas ele tem estilo...”, essa é uma frase que atordoa meus pensamentos desde que comecei a enxergar as mulheres como algo mais do que o grupo inimigo, chato e que não joga bola. Existe argumento mais desprezível para justificar alguma escolha do que dizer que tal tem estilo? Confesso, devo ter nascido com alguma falha no cérebro, porque não consigo perceber o que é ter estilo!

Afinal, todos temos um estilo, eu tenho o estilo de ser palhação e o estilo de me vestir discreto. Esse é meu estilo. Tem cara também que anda de verde limão com um neon rosa no pescoço, esse é o estilo de se vestir dele, o que não quer dizer que ele tem “mais” estilo do que eu.

Acho engraçado isso tudo, porque pra mim, dizer que tal ser é estileiro, é como dizer que você não sabe muito bem porque gosta de alguém, mas sabe que gosta. Seria mais honesto e respeitável dizer que apenas não sabe porque gosta. Eu já gostei de muita menina sem saber explicar muito bem o porquê. Mas sei lá, nunca procurei justificativas pra isso, apenas assumia pra mim que gostava, que não sabia porque e pronto!

Já fiquei noites sem dormir tentando entender essa frase: “Eu sei que ele é feio, chato, anti-social, pobre e não faz nada que preste na vida, mas ele tem estilo e por isso eu gosto dele!”. Acho que eu devo parar de refletir nessas coisas, senão daqui uns dias estou andando com um all-star de cada cor e uma camisa coladinha até o umbigo, só pra ter estilo também.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

10, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1.....Uhulll

Devo admitir: Não tenho algo realmente relevante pra escrever.

Isso mesmo! Não tenho nada de verdadeiramente útil, ou que vá mudar a sua vida.

Mas eu precisava desse caderninho virtual, sério, era tão necessário quanto chegar no último castelo e derrotar o Bowser. Por quê? Bom, eu gosto de escrever, há tempos já, escrevia muitas músicas na minha adolescência (quando eu perder a vergonha, eu exponho aquelas tralhas pro mundo), me intitulo por aí como Redator Publicitário e era uma vergonha eu ter parado assim.

Mas o principal motivo mesmo, era que toda vez no ônibus (Sou Redator Publicitário, mas não falei que já tinha atingido o sucesso) eu refletia sobre diversos assuntos, e ficava louco pra escrever...e...não escrevia! Perdi milhões de dólares em idéias geniais que foram pro ralo que eu nunca anotei! Ok, não perdi dinheiro nenhum vai....mas perdi boas idéias, boas risadas dos outros e a chance de fazer reflexão sobre as coisas.

Chega de me explicar, agora é hora de impor as minhas particularidades!

Sim, sou estrelinha mesmo, se me chamar na sua casa, eu mando conversar com meu assessor, e ele que vai fazer as exigências, tipo, 14 toalhas dobradas em formato de coração em cima da minha cama e 4 dançarinas nuas na recepção.

Particularidade 1: Sou preguiçoso

Bom, se você se apegar à esse blog, o azar é seu. Eu quero muito manter uma frequência legal de posts, mas eu me conheço, sou preguiçoso pra caramba, e vou furar! Tá, vou te dar uma esperança. No início eu sempre me empolgo, ou seja, vocês verão posts seguidos nos primeiros dias, semanas, mas é provável que o ritmo caia no futuro (Tomara que não).

Particularidade 2: Escrevo mais do que o relator das histórias do homem da cobra

Pois é, como vocês já devem ter percebido, não esperem de mim posts curtos. Já virei piada em fóruns que participo por escrever "um tiquinho" mais do que o necessário. Sou reconhecidamente o cara com os posts mais longos de lá. Sei lá, pra mim, os dedos são extensões da língua, e como eu falo pra caramba, nada mais natural do que escrever pra caramba.

Particularidade 3: Auto depreciativo

Ok, ok. Eu não me odeio e nem tenho síndrome de Kurt Cobain. Na verdade, me amo muito, mas eu tenho um humor meio agressivo comigo mesmo. É bem natural eu tirar sarro dos meus próprios defeitos e das cagadas que eu faço. Não fique com dó, não ache que eu preciso de tratamento, nem sinta vergonha alheia, aqui é tudo brincadeirinha, inclusive comigo mesmo.

Ufa, acabou o post inicial, doeu um pouquinho, mas nem se compara à ir ao dentista.

Até a próxima, e se Deus quiser, com um post mais relevante, afinal não será mais a estréia!

Me fue!